Nós

Da pureza da tarde às malícias da madrugada.
Ambas as realidades, contempladas por tudo o que os verbos não conseguem exprimir.
Ao contrário, se dilatam de modo a sobreporem-se ao limite das horas.
Enquanto isso, nós, subtraídos de tudo,
Entrelaçamo-nos, sussurrando semi-palavras… colhendo orvalhos
Num estado de pura êxtase.
Ali, éramos nada…
Éramos tudo!


Respostas

A busca de significados para a existência leva-nos a possibilidades inesgotáveis.

Nesse sentido, admitir a ausência de respostas, já é um grande passo para a aceitação de uma realidade cujos limites são postos em função das relações que estabelecemos (com as pessoas e com as coisas).

Alcançar tais respostas, contudo, pode pouco ou nada representar. A realidade mostra-se tão fluída, que se chegássemos a responder questões tão complexas, certamente não saberíamos o que fazer com elas.


Pessoas e Livros

As palavras significam mais do que expressam quando delas nos servimos.

Um livro inteiro contém mais significados do que aquilo que o autor efetivamente quis dizer e do que pretensamente julgamos entender.

As pessoas são como livros…

contém mais significados do que aquilo que expressam com palavras!

E do que aquilo que captamos com leituras rasas.


Sobre Ti

És flor lítica, que bela paira pétala ao vento.
Encanta em cântico, movimentos.
Confluindo em amanhecidos momentos, boca, seio, sentimentos.
Teu corpo límpido provoca desejo íntimo.
Tuas formas perfeitas ofuscam os velhos olhos cegos da incerta certeza.
Reverenciada é tua beleza em delicados gestos de grandeza.
Beleza esta, unicamente concebida no teu corpo de mulher.


Sobre Mim

Sou uma réplica de mim mesmo.
Sou a soma de todas as minhas experiências.
Sou o acerto, o fracasso, a vontade de potência.
Sou a libido, a necessidade…
Sou o paradoxo da existência.
Sou o gosto pelo infinito, a raiva, o inconformismo.
Sou aquilo em que acredito, mas também, aquilo de que duvido.
Sou a contradição e o rompimento.
Assim como as bocas alheias descrevem, Eu sou a imprevisibilidade… o silêncio.


Necessidade

Inconformismo, necessidade e vontade… sentimentos que me trazem a este lugar.

Embora não saiba quando nem porque, já estive aqui outras vezes.

Esses caminhos de cores desbotadas, esse lugar, que já reconheço em todos os detalhes, me trazem lembranças.

Memórias que me trazem um sentimento que não sei explicar, que me fazem bem…

É como se as linhas do teu rosto se mostrassem nos desenhos e nas formas inacabadas das ruas; se propagassem pelos cantos da cidade de forma a me acolher em cada momento.

Deve ser por isso que, mesmo sabendo onde preciso ir…

Sempre volto para o mesmo lugar… este lugar… o nosso lugar.


Perseverança

O relógio marca as horas pacientemente. Busca incessantemente pelos segundos vindouros, embora desconheça completamente, o mais breve futuro.


Icto de Amor

Um legado de memórias tuas, há no meu lugar. Esta ânsia louca que me consome, já que eras tu própria, a minha vida.

Tu fostes o reflexo da minha imagem que agora, sem propriedade, se perde na poeira da terra seca.

Terra, que grita de dor, tanto quanto gritam minhas mão calejadas de revirar o chão sobre ti.

Agora, sem tua voz macia no icto da minha, vou espreitando a morte viva que, há tempos, comigo caminha.

Sem falar na velha companheira, a miséria amiga.

E o teu sorriso de um dia, hoje é parte da minha utopia.

Uma ilusão que me faz brigar pela vida, mesmo que, perdendo pra morte… que já ti tirou de mim.