Taj Weekes – Pause (2021)

Derya Yıldırım and Grup Şimşek – Kar Yagar (2019)

Work, Money, Death – The Space In Which The Uncontrollable Unknown Resides, Can Be The Place From Which Creation Arises (2021)

O disco foi concebido e gravado por Tony Burkill e pelo baixista Neil Innes no segundo semestre de 2020. Composto por membros dos The Sorcerers, The Lewis Express e da banda de Nat Birchall, eles improvisaram solos longos sobre bases inspiradas no trabalho de Pharoah Sanders e Alice Coltrane. Burkill e Innes compuseram duas grandes músicas cujo método consistiu de uma série de improvisações semelhantes às sessões de meditação que ambos praticam. Com isso buscaram atingir ao mesmo estado de fluxo da meditação, adicionando às suas abordagens as improvisações, que foram sendo trabalhadas passo-a-passo. Uma curiosidade sobre o disco de 2 faixas gigantes é que, devido às restrições impostas pelo Coronavírus no Reino Unido, cada músico gravou sua parte isoladamente no estúdio. Posteriormente, analisaram cada uma das performances e foram desenvolvendo e ajustando o som como um processo de melhoria contínua. Foi em meio a esse caos controlado que o curioso título foi escolhido.

Caetano Veloso – Meu Coco (2021)

Sucessor de “Abraçaço”, “Meu Coco” é primeiro álbum solo de músicas inéditas de Caetano em quase uma década. Em tempos de pandemia, fazer shows para divulgar álbuns não é mais como antigamente. Aliás, sua última grande turnê mundial foi justamente com o amigo Gilberto Gil, para divulgar o disco “Dois Amigos: Um Século de Música”, que levou a dupla multifacetada muitos palcos do mundo. Pode-se dizer que “Meu Coco é uma experiência que contempla muito de sua perspectiva artística e pessoal dos últimos anos, principalmente em termos de posicionamento político, dada a situação do nosso país Brasil – que se encontra absolutamente sem rumos com relação à atual gestão. Caetano sempre pregou a liberdade (seja de expressão, se de ir e vir) e agora, mais do que nunca é hora de exercer o tipo de crítica ácida e inteligente que só ele é capaz de fazer. O álbum, que é um primor de composições a de arranjos, tem sua força na consciência lírica do mestre, que com sagacidade fala de coisas tão simples que certamente confundirá os “intelectualóides”. É um disco para se ouvir com atenção e com amor.

Howl Quartet – Life As We See It (2021)

Life As We See é o álbum de estreia do Howl Quartet, uma colaboração situada em Londres entre os amigos de longa data Dan Smith, Harry Brunt, Pete Komor e Matt Parkinson. Com cada músico trazendo seu próprio som e influências para a fazer uma mistura através da composição e da performance. Com este álbum tentaram combinar um forte senso de melodia e de criatividade rítmica com interações marcadas pela busca constante de evolução. Enfim, o resultado é bom o bastante para fornecer uma visão fresca e atual do jazz de improviso.

Saiba mais: Bandcamp